terça-feira, 2 de dezembro de 2008

FECHE OS OLHOS, O CÉU ESTÁ AQUI....

Desejo tanto e quanto e a vida
E teus olhos fechados
E a sedução de se sentir desejado
E não entendo tudo e quando e a vida
E meus sentimentos transbordados
Em copos d’água e furações
Olho para o dia desejando a noite
Olho a cidade no vazio
Meu coração batalha com a razão
Mas nunca há um ganhador
E ninguém vê minhas lágrimas
Ninguém entende minhas migalhas
O mundo gira transeunte
O amor está presente
O desejo também
Mas nem sempre os dois descem o mesmo rio
Desejo tanto e quanto e a vida
E muitas vezes entrelaço os dedos
Interfaces da fantasia...
E a vida vive perambulando
O tempo guarda as lembranças
E meus olhos fechados
Olha para a noite e deseja o dia...


MAURO ROCHA 02/12/2008


11 comentários:

ALZIRA disse...

"O amor está presente
O desejo também
Mas nem sempre os dois
descem o mesmo rio"

Esta parte foi a que mais me tocou
parabéns poeta

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Oi querido Mauro
Ando meio sumida, sei...
Mas aos poucos vou retornando e colocando minha leitura em dia.
Amei o poema Anônimo...
Mas, no entanto, fechei os olhos.
beijo e luz

paula barros disse...

Gostei muito, muito desse poema.

"O amor está presente
O desejo também
Mas nem sempre os dois descem o mesmo rio"

Clarice Lis disse...

Poeta, talvez seja o fim de ano, talvez seja só a vida mesmo, mas corro tanto... andei sumida ... vi que a produção por aqui está intensa, sempre bom visitá-lo. beijos

Cristiana Fonseca disse...

Linda poesia.
Palavras sensíveis e sublimes
Abraços,
Cris

Carla disse...

a noite pode ser tudo um peso ou um sorriso
beijos

Dry Neres disse...

Sem dúvida, este é um dos textos mais emocionantes que já li aqui... Estou encantada, muito, bastante!

"Mas nem sempre os dois descem o mesmo rio
Desejo tanto e quanto e a vida
E muitas vezes entrelaço os dedos
Interfaces da fantasia"...

Arquiteto, escultor... produtor de sonhos! Parabéns, poeta!!

o casalqseama* disse...

assim sente-se vivo. portanto, deseje o tanto e o quanto quiseres!



um ótimo fds.
bjs da fê =D

Lyra disse...

Diante de alguém que escreve tão bem, tem-se a sensação de que as coisas que permaneceram escondidas no caos emergem…

Beijinhos e até breve.

;O)

Lyra

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

O seu poema é o máximo, mas estou preocupada com a nossa amizade. Por que nunca mais apareceu, Poeta?
Várias vezes vim ler os seus poemas, mas vc nem deu bola. Eu lhe fiz alguma coisa. Aposto que nem sabe que tenho mais dois blogs. Além do Galeria, em que ontem postei sobre o filme Elisabeth e a sua seqüência, Elisabeth: a era de ouro, tenho o Poemas e Canções:
Http://poemasscancoes.blogspot.com
e o Doces Poesias:
http://docesspoesias.blogsot.com
Venha tomar um chá comigo.
Um abraço,
Renata

[ rod ] disse...

Esse desejo que sopra aqui me acompanha por longo tempo.

Que há muitos se eternize.

Abçs poeta,






Novo Dogma:
puni(A)ção...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/