segunda-feira, 16 de março de 2009

POBRE POETA

O anjo me questionou:
- Porque escreves pobre poeta?
Por não saber fazer outra coisa
Se não procurar curvas
Nos verbos que circulam
Se não abrir a janela
Para os adjetivos fazerem a festa...

Escrevo...
Pelo desejo de respirar
Pelo lirismo de amar...

Então o anjo pôs a sorrir
E sussurrou: pobre poeta, não sabe em que mundo está!
Então disse ao anjo:
Meu mundo é das letras
Das noites imperfeitas
Do destino riscado na mão
Da alma tingida
Do corpo no coração...

Então o anjo pôs a sorrir
Na alta da madrugada
E seguiu seu caminho
Enquanto eu abria a porta
Para mais uma jornada...


MAURO ROCHA 16/03/2009

6 comentários:

Jana disse...

Lindo, lindo, lindo!
Inteligente, sutil, humorado, delicado!

Bandys disse...

Lindo, |Mauro!!

Escrevo...
Pelo desejo de respirar
Pelo lirismo de amar...

Beijos mil

Noslen ed azuos disse...

Muito bom caríssimo Mauro Rocha; anjinho chato este em!

abração
ns

João52 disse...

adorei o poema ta lindo...

saudações poéticas

ALZIRA disse...

Pobre poeta mas rico em palavras

Ana Paula disse...

Seu mundo de letras é doce...
Proporciona-me deliciosas leituras pela manhã.
Abraço.