sábado, 12 de fevereiro de 2011

CARVÃO

Compilado no meu ser carne e osso
Às vezes pedra, às vezes gelo
Sem segredos
Rústico, cru, nu
No espelho
Procurando desejos, amargurando medos
Vivendo intrinsecamente cada momento posto
Cada sorriso no rosto, rugas do tempo
Olhar no horizonte, momento inerte
Sentado a frente da Catedral,
Olhando o céu, mapa astral
Vidas
Passadas
Presentes
Futuras
De frente ao espelho Lágrimas, poemas
Amor verdadeiro
Sem tabuleiros, sem xadrez
Sem piña colada, sem embriaguez
Apenas a vida
Real
Chegada ou despedida
Compilado no meu ser
Misturado a estação
Sou do ano do macaco
Não do ano do cão
E o que é o passado?
Se não um espelho quebrado
Que se junta para entender o presente
E quem sabe garantir o futuro
Compilado em meu ser carne e osso
Cinzas de agosto...

MAURO ROCHA 31/01/2011

4 comentários:

Mari Amorim disse...

Belíssimo poema!Mauro
Boas energias e luz em teu caminho
bjs,
Mari

Hugo de Oliveira disse...

Você tem um talento lindo de criar e escrever coisas boas. Parabéns.

abraços

Bandys disse...

Amor verdadeiro
Sem tabuleiros, sem xadrez
Sem piña colada, sem embriaguez
Apenas a vida
Real

Parece muito com minha vida..
Adorei.
Saudades de você.
Te deixo beijos e o desejo de uma semana feliz.

♫ ♪ Wilson ♫ ♪ disse...

A vida real pode ser dura demais mas são as adversidades que a tornam única e especial. Belo poema, Mauro!


Um forte abraço


Deus seja contigo