segunda-feira, 27 de abril de 2009

FLORES NO DESERTO

Quando o lápis riscou a folha
A noite virou dia
A dor virou alegria
O mundo mudou do real
Para a fantasia...

Sai na noite
A procura de anjos
As ruas estavam cheias de feridas
Muitos pontos não havia iluminação
Um lado do mundo está em destruição
O mundo nu e cru pede ajuda,estende a mão...


Quando o lápis riscou a folha
A noite virou dia
A dor virou alegria
O mundo mudou do real
Para a fantasia...


Sai no dia
Procurando demônios
As ruas estavam limpas
Os anjos ainda trabalhavam
Tocando os corações
Guiando almas sem direção
Um lado do mundo via e vê salvação
O mundo nu e cru tem esperança então...


Quando o lápis riscou a folha
Anjos e demônios travavam sua batalha
O homem em seu livre arbítrio se jogava
Entre a salvação e a perdição
O mundo segue sua jornada...

Entre o real
E a fantasia...


MAURO ROCHA 27/04/2009

6 comentários:

o casalqseama* disse...

show.
um dos textos mais legais
que já vi aqui!


=D


bjão da fê ;)

Noslen ed azuos disse...

...só faltou um solo de violino, para o ar da graça deste poema.

abração
ns

Bandys disse...

Lindo Mauro. E o mundo segue mesmo.

Beijos

paula barros disse...

Entre o real e a fantasia, penso que as vezes é mais fácil viver a fantasia, se esconder de um mundo real onde nós somos anjos e demônios, as vezes mais demônios que anjos, um mundo cruel.

Um poema bonito e que me levou a pensar na vida.

abraço

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Que seria de nós sem os poetas?
Lindo Mauro, você
Não faltaram momentos, nem mesmo, de quieta contemplação.Me rendo a você poeta.
Vá por lá, tenho novidades velhas.
Uma boa semana para você.
beijossssssssssssss

Ana Paula disse...

Que lindo poema...
É sempre muito bom visitar vc!
Abraço