terça-feira, 20 de janeiro de 2009

ENTRE O SER E O ESTAR

Na janela em movimento
Movimenta o pensamento
Passam ruas, jardins, montanhas,
Cidades, felicidades,
Tristezas e idades...

Na janela, sentado no parapeito
Um Hamlet sem jeito
Entre o ser e o estar
Desenha sonhos nas nuvens que vão passar
Pelas cidades, felicidades,
Tristezas e idades...

Na janela, inclinado no horizonte
Num monólogo qualquer
Na alma um desejo ardente
No corpo a razão latente
Dentro das cidades, felicidades,
Tristezas e idades...

Na janela em movimento
Rapunzel joga suas tranças
Como numa quadrilha Drummondiana
Romeu espera e Julieta beija o sapo
Que se transforma em simples operário
Nas cidades, felicidades,
Tristezas e idades...

No pensamento a janela
Movimenta o movimento...

MAURO ROCHA 20/01/2009





11 comentários:

Luciana disse...

Oi Mauro, que linda postagem a parte que eu mais gostei foi essa:
"Na janela, sentado no parapeito
Um Hamlet sem jeito
Entre o ser e o estar
Desenha sonhos nas nuvens que vão passar
Pelas cidades, felicidades,
Tristezas e idades..."

Eu admiro pessoas que saibam escrever tão bem como tu, eu infelizmente só entendo de filmes mesmo, mas adoro aprender com as pessoas a conhecer mais a vida e o ser humano, parabéns gostei muito de coração.
Sobre o filme O Feitiço De Áquila eu tenho ele em DVD de tanto que eu e a minha irmã gostamos, é o tipo de filme que tu assisti e não cansa de ver de novo, muito obrigada pelo comentário sempre bem vindo.

Abraços e uma ótima terça-feira.

paula barros disse...

Muito bonito o que escreves, sempre!

Me lembrei de uma vez que enquanto viajava e olhava pela janela, vendo passar as paisagens, também sentia passar meus pensamentos.

bom dia!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Entre o ser e o estar. Entre o erdudito e o popular, vc faz um poema magnífico.
Poeta:
Postei no Galeria. É uma postagem que me dá orgulho. Gostaria que vc fosse apreciá-la e que deixasse a sua opinião. Mas é no Galeria, se vc quiser ir aos outros Blogs, vá depois.
Um abraço,
Renata
Lembro-me do tempo em que eu figurava na sua lista de blogs preferidos...

Carla disse...

bela conjugação neste poema de histórias de sempre que nos convidam a uma viagem entre o ser e o estar...muito bom
beijos

Clarice Lis disse...

Poeta, gostei muito da sua janela, as férias, com certeza, fizeram muito bem, voltou inspiradissimo!
beijos da "minha" janela

Luciana disse...

Olá Mauro, concordo com o teu comentário, mas ambos são bons Sociedade Dos Poetas Mortos eu vi ainda no tempo que eu tinha vídeo cassete (que antigo),então me lembro muito pouco de toda a história só de algumas partes e O Sorriso De Mona Lisa eu assisti na televisão, obrigada pela visita sempre bem vinda.

Abraços.

Lampejos disse...

Poeta,

“entre o ser e o estar” a dúvida
e nas tuas palavras movimentos belíssimos!...

[obrigada]


(a)braços,flores,girassóis:)

HSLO disse...

Bravo! Bravo!


Abraços

Zek disse...

Somente pela janela .... quanta coisa vemos, nós paramos e nosso pensamento voa..... longe!!

Bandys disse...

Na alma um desejo ardente
No corpo a razão latente
Dentro das cidades, felicidades,
Tristezas e idades...

Lindo, Mauro!

Beijos

Cristina Santos disse...

Nossa lindo demais, muito bonito mesmo, adorei... beijos