quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

LIRISMO CRIPTOGRAFADO

Voltei para dizer
Que ainda vivo
E em meu peito
Apenas a flecha atravessada
Dos dias perdidos
Por cinco minutos de bobeira
E na Faixa de Gaza
Rasga a insanidade de grupos
Que decidem por todos
Que só têm tempo de pensar em se esconder do próximo míssil...

Voltei para dizer
Que a poesia criptografada
Tatua o dia de lirismo
E que toda vontade que sinto
Esta derramada nos punhos cortados
Da noite... entenda...
Vampiros não refletem em espelhos
Sistemas viciados criam pesadelos
Há algo de errado na televisão
O abismo está no próximo passo...

Voltei para dizer
Que agora vai ser diferente
Vou deixar você escolher
Entre o beijo ardente
E a mordida sutil
Entre a tempestade apaixonante
E a brisa amorosa
Entre a maçã pecaminosa
E o desejo da rosa...

Voltei para dizer
Que ainda vivo...


MAURO ROCHA 14/01/2009







8 comentários:

Luciana disse...

Oi Mauro, tudo bem contigo?
Desculpe a invasão, eu te achei pelo Blog da Renata Cordeiro, eu também tenho um Blog sobre filmes e músicas, e quando eu vi a imagem do Coringa no teu Blog eu adorei, assisti o filme duas vezes e publiquei algumas frases do filme no meu Blog, adorava o trabalho do ator Heath Ledger que infelizmente faleceu a quase um ano e na segunda feira eu li na Net que ele ganhou o Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante e também pode ter uma possível indicação ao Oscar, gostei do teu Blog adoro visitar Blogs que são bons e inteligentes.

Abraços e uma boa noite!

Luciana disse...

Oi Mauro, obrigada pela visita pode deixar que eu venho sim no teu Blog gostei dele e fico feliz que tu goste de filmes e também por ter gostado do estilo do meu Blog.

Abraços e uma ótima sexta-feira.

Melsavinon disse...

Gostei de estra aqui mais uma vez!!!

Bandys disse...

Mauro,

E quem somos nós, poetas??Ah poetas...

DESAFIOS
-Osho-
A vida só é possível através dos desafios.
A vida só é possível quando você tem tanto o bom tempo quanto o mau tempo, quando tem prazer e dor;
quando tem inverno e verão, dia e noite; quando tem tristeza tanto quanto felicidade, desconforto tanto quanto conforto.
A vida passa entre essas duas polaridades.
Movendo-se entre essas duas polaridades, você aprende a se equilibrar.
Entre essas duas asas,
você aprende a voar até a estrela mais distante.

Volte sim,
Beijos

Dry Neres disse...

Que bom que voltou!!!
Que saudade de poeta!
Belíssimo texto...
(qnd eu crescer quero ser igual a voce)
rsrs
..
bjo

Clarice Lis disse...

Poeta, ainda bem que existe a poesia para deixar tudo isso mais leve, mas fácil e bonito. Que bom que voltou.

Felina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Bela maneira de regressar

Alzira