domingo, 23 de janeiro de 2011

VENTOS SECOS

O vento não sopra mais nas árvores
Está tudo tão mudado
As estações se misturam para todos os lados
Olho para o céu e procuro naves...

A cidade corre nas veias
Tantas tribos, tantas aldeias
Circulo o mundo num clic
Rabisco poemas numa bic...

Mas o que procuram minhas mãos?
Formas geográficas no escuro...
O silêncio no doce murmúrio
Que faz palpitar o coração...

A cidade corre nas veias
Navego num mundo caótico
De binóculos avisto sereias
Enquanto degusto Martini seco...

Nas calçadas do centro
Saias desfilam ao vento
Olhos cruzam olhos
Em breves sorrisos...

A noite se enche de estrelas
Ninguém quer vagar sozinho
Entre taças escolha o melhor vinho
Não esqueça os sonhos, abra suas asas...

A felicidade dança com o amor
Na melodia triste da vida
Anjos cuidam da dor
Enquanto a saudade distrai o dia...

O vento não sopra mais nas árvores
Está tudo tão mudado
A cidade se perde nas suas cores, amores, bares
Junto à suculenta mordida do doce pecado...

Mas o que procuram meus olhos?
Formas geométricas de teu mundo
Na clarividência dos amores mudos
Enquanto degusto Martini seco...


MAURO ROCHA 21/01/2011

3 comentários:

ღPat.ღ disse...

Hmmm...

Tudo muda ao nosso redor, mas os sentimentos continuam intactos!

Um beijo

Tatiana disse...

O ar poético aqui... Encanta e leva as emoções ao mundo dos sonhos!
Tenha uma ótima semana!
Um beijo carinhoso

HSLO disse...

Bonitos ventos Mauro.

Abraços
de luz e paz

Hugo