quarta-feira, 5 de novembro de 2008

ESPARSO

A esperança molha o solo
E com ela deito e rolo
Em meus sonhos esparsos
O espaço delimita a realidade
Tenho a saudade ao meu favor
E as palavras que encantam
Estão guardadas na estante...

Dentro do céu de nuvens negras
Vejo o dia surgir
Nos goles de café
Penso o que vem a mim

O tempo não espera
Os dias só completam
As noites escuras

A esperança molha o solo
A fertilidade está nos olhos
As mãos, o abraço, o arado
Misturas, libido, ao teu lado
Tenho a saudade ao meu favor...

A esperança molha o solo
Do rosto ressecado
Do corpo cansado
Dos dias completos
Das noites...minhas
...Tão tuas...

MAURO ROCHA 04/11/2008



4 comentários:

Glayce disse...

Olá!
Obrigada pela visita!
Seu blog é uma doçura... Quantos poetas maravilhosos no mundo virtual, heim...
Volte sempre e...Sou paulista, mas moro em Brasilia!
Beijos

Dry Neres disse...

A-D-O-R-E-I!!!
xD
você como sempre: fantástico..

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Poeta:
Não consigo comentar nada. Fiz um post a duras penas em memória a uma pessoa que perdi. Peço que me dê uma força, indo ao meu Blog.
Obrigada desde já,
Renata

Bandys disse...

Mauro, lindo, lindo!!

Do rosto ressecado
Do corpo cansado
Dos dias completos
Das noites...minhas
...Tão tuas...

Ps Postei o cafe, rsrs, não resisti.
beijos