quarta-feira, 1 de agosto de 2007

DIAS DE LUA, NOITES DE SOL

Quando abri a janela
O dia estava lindo
Ouvi um sussurro
Era o vento que entrava

Ele trazia uma palavra
Ele sussurrava.....AMOR
Eu comecei a rir
Aquilo era coisa de tolo

Saí...
E pela rua distraído esbarrei em você
Quando fitei seus olhos
A garganta secou
Um frio na barriga se instalou
O vento ria e mais uma vez sussurrou
....AMOR...

e todos os castelos que construí
e todos os exércitos que comandei
e todos os sonhos que tive
e todos os sonhos que inventei

e junto ao meu corpo
em tua alma mergulhei
e daquele dia adiante no AMOR eu acreditei...

Quando abri a janela
O dia estava nublado,
Nefasto,
o vento sussurrava TRAIÇÃO...
a tempestade perfurava o corpo
insano os olhos eram abertos
cadê o AMOR então??

E todas as aquelas palavras
E todas as promessas
Os poucos dias felizes eu guardei
O AMOR continua com o vento
Só foi uma chuva de verão
Que a tempestade levou...

Quando abri a janela
O dia estava começando...

MAURO ROCHA 23/03/2007

Um comentário:

Marcela Vieira disse...

Amei está poesia!
Muito fofa!!