segunda-feira, 1 de março de 2010

DIAS SIM! DIAS NÃO!

O sol brilha nos olhos
A manhã convida para dançar
A porta se abre de esperança
O caminho é vasto como o mundo...

Tudo parece clichê
E tudo parece tão perfeito
A cidade é um desenho
Feito por você...

Mas repare bem nas janelas
Há sempre alguém com saudade
Há sempre alguém fugindo por elas
Em busca de liberdade...

Eu contemplo a tempestade
Entre a razão e o coração
Dentro de um copo d’água está a paixão
O amor perambula pela cidade...

O mundo está por um fio
Há destruição por todos os lados
O homem já sente o vazio
Pois não somos deuses alados...

Hoje eu acordei poeta
Tem um mundo em meus olhos
Olhei bem pela fresta
Você linda nos abrolhos...


Todo mundo faz confusão
Entre o coração e a razão
Eu contemplo a tempestade
O amor e a cidade...

MAURO ROCHA 01/03/2010



7 comentários:

paula barros disse...

Você sai costurando um poema com temas que me fazem refletir, acordou um poeta alfaiate, na medida certa.

abraço

Tatiana disse...

Grande Poeta Mauro...
Eu também ando contemplando tudo ao meu redor...

Enviei um e-mail para você com o poema.
Um beijo carinhoso

Le Vautour disse...

Não tenho o que falar, ou então: putz, que lindo!
Há palavras que nos calam fundo n'alma - as suas, por exemplo.

Bandys disse...

Mauro,

Caridade
falsidade
amizade
e por a[i vai

Beijos e saudades

Lígia Guedes disse...

Rocha,

Lindo espaço!

Em tempo: excluí tua recordação por engano. Passe lá, se tiver um tempo...Sorry.
Beijos!

Lígia Guedes disse...

Rocha,

Lindo espaço!

Em tempo: excluí tua recordação por engano. Passe lá, se tiver um tempo...Sorry.
Beijos!

Canto da Boca disse...

Um observador de si, abstraído do mundo, observando-se a partir desse mundo observado...