segunda-feira, 29 de setembro de 2008

TEMPORADA DE TEMPESTADES

Sempre que vejo
A lua, as estrelas, o dia...
Entre tantas coisas, o espelho...
Entre tantas coisas, o que mais seria...

As pedras no abismo?
Não!
Apenas fantasias?
Não!
O livro aberto?
Talvez!
Seriam poesias?
Talvez!

Entre tantas coisas...

Vejo...

Você...

Passar na linha do horizonte
Entre o desejo e o querer...
...A ponte...
Que atravessa
A temporada de tempestades...


MAURO ROCHA 29/09/2008

11 comentários:

Camilinha disse...

entre tudo e nada, o que há?



besos...

nina disse...

meio-termo constante.
Tempestade é tão triste. Prefiro estar em casa a esperar o nascer do sol.

Clarice Lis disse...

Poeta, gosto da imagem do livro aberto ... da linha do horizonte e da ponte. Palavras poderosas que nos levam pela tempestade.

GUILHERME PIÃO disse...

Sempre no meio...
Abraços

paula barros disse...

Lendo essa e as outras que não tinha lido.

Apreciando os estilos.

ALZIRA disse...

Esta tempestade me fez tremer

Deusa Odoyá disse...

Olá meu estimado poeta Mauro Rocha.
Passei para lhe dar um oi, repleto de carinho e muita luz.
Recheado de muita fé e forte como a energia.
Seus poemas como sempre muito belos.

Sua amiga de blog.

Regina Coeli.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Muito inspirado, poema belíssimo, poeta. Vou roubar-lhe um poema e pôr no meu novo post, razão pela qual aqui estou. Convido-o a visitar o meu novo post e a deixar a sua opinião. Apareça logo. Vou pegar um poema seu e pôr lá.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

Carla disse...

feito de luzes de tempestade este teu poema
beijos

o casalqseama* disse...

sempre há alguém feito um temporal de sentimentos em nossas vidas...

bjs, mauro!

f@ disse...

Bonito...
"... A PONTE É UMA PASSAGEM PARA A OUTRA MARGEM..." DIZ A CANÇÃO
BEIJINHOS DAS NUVENS