quinta-feira, 8 de julho de 2010

FOGO, LUZ, SOL

Porta
Abre
Torta

Torta
Com café
À tarde

Tarde
Melhor que
Nunca

Nunca
Diga
Jamais

Jamais
Perca
O sentido

Sentido
Direito, esquerdo
Viro

Viro
À noite
De um lado para o outro

Outro
Dia
Saudade

Saudade
Não
Tem idade

Idade
Cidade
Miragem

Miragem
Tua presença
Minha, no espelho

Espelho
De frente
Minha alma


Alma
Na palma
Meu destino

Destino
Encontro, desencontros
Um sorriso

Sorriso
Do lagarto
Parto

Parto
Vida
Inicio

Inicio
Meio
Fim

Fim
Não bate
A porta...

MAURO ROCHA 08/07/2010

7 comentários:

Bandys disse...

Nossa, adorei!
Deixarei a porta pra poder entrar, rsss.
Mauro, adoro sua criatividade.
Um beijo

Reflexo d Alma disse...

Adoro textos
que me possibilitem
o jogo com as
palavras. Fiz assim
com seu texto:li as primeiras
palavras de cada
estrofe
e pra mim
formou
oute belo
poema,
cheio de
força e significado
impar.
Adorei.
Saudades de ti.
Bjins entre sonhos e delírios

Marilu disse...

Querido amigo Mauro, jogos de palavras são sempre criativos...Adorei..Beijocas

Majoli disse...

E um dia me dissestes ser aspirante a poeta...hummmmm.
Você poetiza deliciosamente....ou no embalo e quero mais...rsrs.

Parabéns meu amigo, lindo esse teu jeito especial de dar cadência as palavras, encaixe perfeito.

Beijos no ♥

Elcio Tuiribepi disse...

A porta
nos reporta ao fim
Um dia todos nós passaremos por essa porta...mas quem nos garante que esse fim não é o começo...sei lá..rs
Um abraço na alam...onrigado por sua presença lá no Verseiro

Sandra disse...

Lindopoema. a porta.. a porta é o o caminho que nos leva para fora de alguma coisa.
Muito bom.
Sandra

Elaine Barnes disse...

Essa criatividade em degraus onde sobe e desce fazem um poeta. Parabéns! Amei demais! Montão de bjs e abraços