quinta-feira, 19 de junho de 2008

DESERTO

Pulei no abismo
De minhas vidas
Em sonhos profundos
Colhi as tulipas
Girei o mundo
Com os pés no chão
Procurei não pensar
Apenas chegar ao fundo
...Ao fundo do coração
Para descobrir o quanto sou humano...


MAURO ROCHA 19/06/2008

6 comentários:

:: Daniel :: disse...

Eu também estou nessa toada, meu caro, nesse caminho junto ao solo do coração. Quero ver se ainda está regado ou se bebeu água demais. Seco, com certeza, não. A torrente aqui é forte.

Abração!

Carla disse...

...porque às vezes temos que ser "desertos" de tudo para nos conseguirmos descobrir
bom fim de semana
beijos

Bandys disse...

...chegar ao fundo coração.

Bela poesia.

Beijos de ♥

Clarice Lis disse...

Eu tb acredito na força que temos guardada no fundo do coração. Gostei muito dessa poesia.

paula barros disse...

Achei excelente o girar o mundo com os pés no chão. E descobrir-se humano no fundo do coração.
Com tanta essência é só sair rodopiando e amando.
abraços

Canto da Boca disse...

Que bela constatação: ser humano.
Belo!