terça-feira, 13 de maio de 2008

QUANDO O SOL NASCEU

Quando o sol nasceu, naquela manhã,
Era setembro de um outono chuvoso
Foi quando eu a vi pela primeira vez
Entre um sorriso e um olhar
E de repente seu nome ecoava pelo vento
E minhas mãos possuíam seu corpo
E sua alma invadia meu ser
Na simplicidade de um carinho
Que se fez segredo pelos lábios
Úmidos de tua boca...


E de repente seu nome ecoava pelo vento...


MAURO ROCHA 30/09/2001

3 comentários:

Ravnos_Blacklotus disse...

Portas não impedem um vampiro de entrar e sair...
[sorriso]
Sinto-me inquieto demais para repolsar... no entanto creio que vagando possa acalmar meu espirito... voltar as naturezas do meu clã...

paula barros disse...

Nossa! Aqui é rápido.
Lendo e me deliciando.


obrigada pela visita. aquele blog que você visitou não considero meu verdadeiro blog. rsrsr

http://pensamentosefotos.blogspot.com
Esse é o original, mas fique a vontade no que se sentir melhor, claro se quiser voltar. Mesmo não voltando, eu voltarei.
abraços

Canto da Boca disse...

"E sua alma invadia meu ser", eu li: e sua alma inventava meu ser... Gosto muito da forma como vc tece o poema.
;)