terça-feira, 27 de maio de 2008

ROCK

O som que entrava pela janela
Escorregava pelo telhado
Fazendo um estrago

O som que nasce das entranhas
Que às vezes têm formas estranhas
Ganha cidades
E todas as idades

O som que vem dos deuses
E que aos anjos tem segredos
É o mesmo que faz sorrir
E que faz chorar


O som que desliza pelos becos
Realiza revoluções, imortaliza seres
Vira belas canções, provoca choque
E chama-se Rock!



MAURO ROCHA 13/07/1999

4 comentários:

Zek disse...

Pois é, sons distorcidos, idéias controversas assim é esse som, que de tanto barulho chega a ser bom...
Bela comparação, mas você chama essa musica de canção ? !!!!

Poeta Mauro Rocha disse...

Amigo Zek, a cançaõ é a designação comum a diversos tipos de composição musical.Você se apegou ao som e eu ao conjunto.
Obrigado mais uma vez pela visita, és sempre bem vindo.

Canto da Boca disse...

E ainda fiquei a imaginar o som das entranhas, que vira grunhido, gutural...
Engraçado, a vida é sempre uma simbiose, postei meu texto ontem, e fiz alusao à música... Deve ser a alma ainda extasiada, fui ao show do Joe Cocker e me vi, pré-adolescente, adolescente, envolvida num outro mundo... Adoro os sons da vida.
;)

paula barros disse...

Mauro
"O som que nasce das entranhas"

Penso que o som verdadeiro o que vem de dentro, das entranhas, da alma é o som que nos move, nos alegra, nos deixa mais leve. E faz a própria vida ter um som diferente.